O novo caminho para o sucesso.

Receita pode prorrogar eSocial para MPEs

A Receita Federal (RF) pode prorrogar o prazo para a adesão das micro e pequenas empresas (MPEs) no eSocial. É o que diz alguns especialistas que tiveram contato com representantes da Receita Federal.

 

Segundo as fontes, é complicada demais a versão do eSocial utilizada pelas empresas de grande porte, que integraram o programa no começo do ano e, se o mesmo modelo for obrigatório para as companhias menores, é provável que a adesão seja problemática. Além disso, as firmas maiores estariam enfrentando dificuldades para se adaptar ao eSocial. Um dos problemas, estaria no cadastro dos dados trabalhistas dos funcionários.

 

Outro ponto que preocupa os especialistas é o excesso de demanda sobre consultores de tecnologia, bastante requisitados para fazer a implementação do sistema. Hoje essas firmas de consultoria não têm equipe técnica suficiente para dar suporte e fazer as implementações necessárias em um mês e meio, afirma, por exemplo, Márcio Massao Shimomoto, presidente do Sindicato das Empresas de Contabilidade e de Assessoramento no Estado de São Paulo (Sescon-SP).

 

Ele também chama atenção para o prazo diferenciado estabelecido para a adesão de empresas públicas. “O governo já deveria ter entrado no eSocial. Não faz sentido deixar as [empresas] públicas para o final, só em janeiro do ano que vem”, afirma.

 

Por esse motivo, a FecomercioSP informou que solicitou ao governo federal a prorrogação do prazo para que microempresas, micro empreendedores individuais, e empresas de pequeno porte apresentem os dados de seus empregados no eSocial. Foram enviados ofícios para representantes da Receita Federal, Ministérios da Fazenda, do Trabalho e do Desenvolvimento Social, além de outros órgãos competentes.

 

Mudanças

O eSocial é uma plataforma eletrônica onde os empresários registram os dados trabalhistas, tributários, fiscais e previdenciários dos funcionários. Para especialistas, o programa é bom, pois traz mais transparência e segurança aos trabalhadores, mas sua implementação é problemática.

 

 

Fonte: DCI - SP