O novo caminho para o sucesso.

Veja os benefícios de se investir em uma auditoria interna

Os profissionais contábeis estão sempre associados com planilhas de excel e calculadoras. Porém, a contabilidade vem se beneficiando muito das evoluções tecnológicas e um exemplo disso é o relatório de auditoria interna.

Relatório de auditoria interna

É a fase final do trabalho realizado pelo auditor. Ele consiste, basicamente, na descrição ordenada e cuidadosa dos fatos contábeis que foram constatados durante o trabalho, com base em evidências coletadas nos exames.

Desse modo, podemos dizer que o relatório é um instrumento técnico pelo qual o auditor transmite os resultados das atividades desempenhadas.

Ele apresenta suas conclusões, recomendações e providências a serem levadas em consideração, com base na sua experiência e nas suas características como profissional contábil.

Para ser bem completo e servir como um documento valioso para incrementar as estratégias financeiras de uma empresa, um relatório de auditoria interna deve abordar os seguintes aspectos:

  • Objetivo da elaboração do relatório e a extensão das atividades realizadas;
  • Metodologias adotadas;
  • Procedimentos de auditoria aplicados de acordo com cada etapa do trabalho;
  • Eventuais limitações enfrentadas pelos profissionais (por questões legais, por exemplo);
  • Descrição fiel dos fatos e evidências encontrados;
  • Riscos associados às conclusões da equipe;
  • Recomendações com base no que foi constatado.

Dessa forma, o relatório de auditoria interna deve ser apresentado aos gestores que tenham solicitado essa atividade ou à pessoa autorizada pelos líderes do negócio. O importante é manter a confidencialidade do material — assim, o profissional deve manter a discrição.

Erros comuns na elaboração

Os erros mais recorrentes na realização de um relatório de auditoria interna envolvem fatores como a análise de riscos e o desenvolvimento do programa de auditoria.

Outra falha comum ocorre quando os contadores não incluem pontos positivos no relatório e não realizam uma avaliação apurada da informação recolhida.

Assim, eles acabam se concentrando apenas nas demonstrações financeiras, limitando o escopo do trabalho. Outro erro, “não ser objetivo na conclusão do relatório”.

Isso porque muitos auditores e profissionais contábeis acabam “enfeitando” demais o conteúdo, acrescentando informações pouco objetivas ou até irrelevantes para o propósito do trabalho.

Por conta disso, é necessário, ainda, tomar as precauções necessárias para garantir que sejam abordados, no relatório, apenas assuntos que possam ser adequadamente evidenciados.

Para evitar isso, é importante verificar todas as somas e cálculos presentes nos relatórios, mesmo que se tratem de informações transportadas de planilhas eletrônicas. Além disso, é importante efetuar cruzamentos e fechamentos de valores contidos para garantir mais precisão.

 

Fonte: Administradores.com
Publicado em 05/12/2019