O novo caminho para o sucesso.

Vai abrir uma empresa? Confira todos os gastos iniciais e os principais impostos

Abrir o próprio empreendimento e se transformar em seu próprio chefe, é o sonho de muitas pessoas pelo Brasil. Em muitas vezes, o futuro empreendedor tem certeza da originalidade de sua ideia, porém a falta de coragem e iniciativa em colocar em prática, faz com que esse negócio seja “enterrado” antes mesmo de nascer.

Um dos motivos que muitas vezes tira a coragem e a iniciativa de quem tem uma boa ideia é pensar que já “existem tantos concorrentes por ai”. De fato ao sermos realistas, a concorrência existe quando se pensa no tamanho do mercado, seja ele brasileiro ou mundial.

Porém, é ai que entra uma jogada nova e estratégica, que geralmente é usada por quem tem a coragem de investir em sua ideia: apostar em um público-alvo.

Eleger e ter consciência de quem é o seu público-alvo, é uma estratégia nova que vem dando certo para quem sabe da importância de achar uma boa solução para esse determinado público através do seu produto, ou serviço.

Apesar da coragem e da identificação de público serem importantes, eles não são as únicas etapas para o processo de abertura de empresa. Confira:

Taxas e valores na abertura da empresa

Há diferença de um estado para o outro quando a questão é os documentos necessários ao efetuar a abertura da sua empresa. No entanto, alguns documentos são essenciais para todo o território nacional, possuem a mesma necessidade em comum quando o assunto é documentos básicos e padrões em diferentes Estados, e são eles:

  • Documentos retirados frente à Junta Nacional;
  • Alvarás, licenças e inscrições;
  • Taxas com vínculos à sindicatos.

Cada documento desse que em geral é solicitado em todo o território nacional, quando levado em conta o Estado de São Paulo, o custo sairá em média no valor de R$370,00 até R$750,00, podendo variar dentro dessa valor estimado a emissão desses documentos.

Outro fator importantíssimo que deve ser considerado imprescindível ao abrir a sua empresa e por em prática a sua ideia, é justamente a contratação de um profissional especializado no determinado ramo que você optou.

Pode parecer, de início, que não há essa necessidade, ainda mais quando o empreendedor tem o conhecimento da área de atuação. Porém, deve-se pensar que a qualidade e o conhecimento de um profissional que seja realmente especializado nesse tipo de negócio fará a diferença. Afinal, um profissional terá a visão diferente da visão do empreendedor que apenas tiver uma noção do serviço ou do produto, e nesse caso a contratação desse profissional acaba se tornando um investimento.

Fisco, o que é, e sua importância

Ao pensar em empreender, ouvir ou ler o nome “Fisco” pode parecer assustador, afinal é um ponto que tem influência direta nos setores contábeis e financeiros da empresa. Não o pagar da forma devidamente correta, pode acarretar em uma série de multas e advertências que com certeza não será nada agradável.

Fisco – A sua função é simples: controlar e monitorar toda a legislação tributária do país, sendo classificado como muitas pessoas não sabem, em três esferas primordiais:

  • Esfera Federal: Faz referência à todo o país. Um exemplo de imposto cobrado pela Esfera Federal é o Imposto de Renda (IR).
  • Esfera Estadual: A coleta e o monitoramento dos tributos estaduais é responsabilidade da esfera Estadual. O Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) é talvez o imposto mais comum e conhecido dessa Esfera.
  • Esfera Municipal: Imposto Sobre Serviço (ISS) é o imposto que pertence a essa Esfera, e é pago para a prefeitura da cidade.

Esses são alguns tributos que merecem atenção do empreendedor, para que não aconteça de arrumar problemas financeiros com algum órgão do país. Portanto, ter um profissional para cuidar dessa parte de tributação é essencial, mesmo que o empreendedor tenha conhecimento dos processos, mas o conhecimento de um profissional é sempre primordial e por isso a JGA  oferece os melhores especialistas para tirar as suas dúvidas e te auxiliar no processo de abertura de seu empreendimento.

 

Fonte: Jornal Contábil
Publicado em 21/01/2020