O novo caminho para o sucesso.

O papel da Contabilidade para o gerenciamento e o sucesso de uma startup

Nos últimos quatro anos triplicou o número de startups no Brasil, visto que o modelo de negócio oferece um crescimento rápido. O levantamento é da Associação Brasileira de Startups – Abstartups, a qual aponta que, de 2015 para cá, houve um salto de 4.151 startups para 12.600, ou seja, uma guinada de mais de 200%.

No entanto, para se constituir uma startup, não basta ter uma ideia brilhante. Isso porque para se criar uma empresa deste tipo partindo do zero, e mantê-la, não é tarefa nada fácil, como explica, a estrategista de negócios e vice-presidente da ABstartup, Tânia Gomes.

Quando definimos que uma empresa é uma startup podemos observar duas características básicas: escalável e repetível. Tendo isso como base fica muito difícil afirmar que outros segmentos podem ser considerados startups. Segundo Tânia Gomes, ao olhar modelos como We Work, por exemplo, podemos questionar o quanto essa definição pode ser flexível dependendo dos interesses dos envolvidos.

Contudo, de um modo geral todas as empresas necessitam de uma boa Contabilidade e, as  startups não é diferente, tendo em vista que muitas vezes o modelo de negócios criado pelo empreendedor não tem precedentes e precisa ser encaixado na legislação vigente ou precisará de apoio para abrir a discussão para adequação da legislação tributária.

“A Contabilidade deve acompanhar o crescimento desse mercado. Não só por ser um diferencial hoje, mas porque a tendência é que as startups continuem em crescimento pelos próximos anos no Brasil e no mundo. Ou seja, a especialização não acompanhará a rapidez com que os empreendedores constroem novos negócios, mas permitirá que a Contabilidade seja vista como um parceiro importante na solução dessas discussões, e não apenas como o fornecedor que fecha o balanço quando se precisa de um due diligence para a venda da startup” afirma Tânia Gomes.

A consultora ainda alerta que escalar um negócio exige muito foco e a folha de pagamento ou qualquer atividade que exija divisão de atenção deve ser avaliada e transferida para especialistas. Além de investir em um bom planejamento tributário, que deve ser um dos pilares de qualquer negócio, principalmente no momento da escala, porque quando o faturamento aumenta, só estar no regime tributário errado já pode causar prejuízo. “Imagine se é uma startup que escala globalmente e paga impostos aqui no Brasil. É fundamental discutir planejamento tributário em startups”, garante Tânia Gomes.

 

Da redação com informações do Portal Dedução